Canjiquinha com suã de porco

Image and video hosting by TinyPic

Se tem algo que me faz suspirar é a danada da canjiquinha, é verdadeiramente pra mim um alimento cheio de histórias um tanto quanto poético pra minha pessoa e mesa. Vira e mexe tá a danadinha se exibindo em minhas travessas e olha que a tal sempre faz bonito e dessa vez o acompanhamento foi uma suã de porco que meu sogro trouxe lá do interior e foi cozido lentamente sem pressa até secar todo o líquido e dourar na própria gordura que se soltou da carne e depois de bem macia e dourada foi repousada em cima do meu prato de canjiquinha.

  • 250 g de canjiquinha amarela
  • 3 xícaras (chá) de água quente
  • 2 colheres (sopa) de bacon picado
  • 2 cebolas picadas
  • 1/2 xícara (chá) de molho de tomate
  • 3 tomates sem sementes picados
  • 3 dentes de alho picados
  • sal e pimenta a gosto

Coloque a canjiquinha em uma tigela e cubra com água. Deixe de molho por 3 horas – enquanto isso doure o alho- bacon e cebola junte os tomates picados e some a canjiquinha (essa já deve estar com a água do molho escorrida), some o molho de tomate e a água quente. Cozinhe por 30 mts mexendo sempre ou até que esteja macia, tempere com o sal e pimenta e sirva.

Para acompanhar eu temperei um quilo de suã de porco com sal, alho, pimenta e alecrim e aqueci uma frigideira pesada somei a carne e fui pingando água quente até que a mesma estivesse macia nesse ponto eu deixei ela apurar e dourar na própria gordura que a carne solta. Servi por cima da canjiquinha.

Quiche de espinafre

Image and video hosting by TinyPic

Venho postando receitas bem antigas e outras nem tanto, porque eu parei de blogar um tempo por conta de uma carona que minha vida pegou no trem bala mas minha cozinha continuou funcionando pois a música não pode parar ?! E sendo assim algumas receitas me lembro bem por qual motivo foram executadas e outras já não tenho isso na memória só sei dizer se vale ou não a pena ser executada e no caso dessa quiche eu tenho que falar que meu encanto veio do fato de uma quiche não levar tantos ovos e essa fica com creme sedoso, aveludado e relativamente leve perto das outras tradicionais receitas.

  • 1 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo
  • 1/2 xícara (chá) de manteiga
  • 1 ovo
  • Sal a gosto

Recheio

  • 1 xícara (chá) de leite
  • 1 ovo
  • 1 colher (sopa) de farinha de trigo
  • 150 g de queijo cremoso*
  • Sal a gosto
  • 100 g de parmesão ralado

Espinafre

  • 1 maço de espinafre limpo
  • 2 dentes de alho picadinhos
  • 1 colher (sopa) de azeite
  • 1/2 cebola bem picada
  • Sal e pimenta a gosto

Primeiro passo é refogar o alho no azeite junto com a cebola juntar o espinafre e temperar com sal e pimenta, depois do espinafre murcho você já pode retirar do fogo e colocar em uma peneira para escorrer o caldo que se forma e reserve.

Para a massa – coloque a farinha de trigo em uma tigela e , no centro, coloque a manteiga, o ovo e o sal. Aos poucos incorpore a farinha de trigo até obter uma massa homogênea. Forre o fundo e as laterais de uma fôrma para torta.

Recheio – Em uma panela, desfaça o ovo no leite e acrescente a farinha de trigo. Leve ao fogo e cozinhe mexendo eventualmente até obter um creme. Acrescente o queijo e o sal e desligue o fogo. Deixe esfriar.

Montagem – Coloque o espinafre sobra a massa, cubra com o creme, polvilhe o parmesão e leve ao forno médio 180 graus, preaquecido, por 30mts ou até dourar.

* Eu utilizei requeijão cremoso

Tamales

Image and video hosting by TinyPic

Não sei como funciona a dinâmica doméstica em sua casa mas na minha a coisa funciona +\- assim: dia de feira vou até lá geralmente levo o Enzo (meu querubim caçula) que come muito, muito mesmo tipo todas as frutas que os feirantes oferecem o menino traça e nesse dia vou vendo o que esta na época e com o preço melhor e é só depois disso que as receitas são criadas, por isso muitas vezes eu mudo o recheio de uma receita de torta ou a cobertura de um bolo pois vou sempre utilizar o ingrediente que tenho salvo raras vezes que compro as coisas pra fazer uma determinada receita aí sim sigo a risca (rs). E essa receita geralmente você sempre vai ter todos ingredientes para executá-la em casa e não vai precisar utilizar a dispensa toda pra fazer apenas uma receita e ainda tem a vantagem de poder brincar um pouco com os ingredientes e claro que a aí a receita não seria tão fiel a original, mesmo assim você estaria sendo original utilizando o que tem em casa e não deixando perder nem um alimento que vamos combinar né gata, não dá pra deixar nada ir parar no lixo. O resultado final dessa receita me lembrou muitíssimo um cuscuz paulista se alguém executar a receita me diga se tenho ou não razão.

  • 3 tomate sem pele nem sementes
  • 1 pimentão verde sem sementes*
  • 1 cebola
  • 250 g de carne moída
  • 2 dentes de alho amassados
  • 2 1/2 xícaras (chá) de água
  • 1 1/2 xícara (chá) de farinha de milho
  • 50 g de azeitonas pretas sem caroço picadas
  • 1 lata de milho verde cozido no vapor
  • 1 colher (café) de sal
  • Cheiro-verde a gosto picado
  • 100g de mussarela ralada

Bata no liquidificador os tomates, o pimentão e a cebola. Reserve. Refogue a carne em uma frigideira antiaderente até secar toda a água. Adicione o alho, mexa bem e acrescente a mistura do liquidificador reservada. Deixe cozinhar um pouco e acrescente 1 xícara (chá) de água. Umideça a farinha de milho com o restante da água e adicione ao refogado, acrescentando também as azeitonas e o milho. Mexa até engrossar. Tempere com o sal e o cheiro-verde. Coloque em uma fôrma retangular (25×17 cm), salpique com a mussarela e leve ao forno quente (200 graus) por cerca de 15 mts ou até que a mussarela esteja derretida.

*eu utilizei pimentão vermelho

*Fonte – Revista receita minuto

Fogaça frita

Image and video hosting by TinyPic

Esses dias abri uma revista minha e vi a foto dessa receita e resolvi testar – na verdade eu não gosto de fritar as coisas por um simples motivo, fritura e apartamento (apertamento) não combinam, mas se o eleitorado pede eu acabo hora ou outra fazendo o gosto deles. A massa cresce bastante, então acho que pode abrir mas fina e o recheio achei bom mesmo sendo o básico do básico no quesito recheios eu achei que foi um bom casamento.

  • 2 tabletes de fermento biológico
  • 1 colher (sopa) de açúcar
  • 1/2 xícara (chá) de leite morno
  • 1 batata pequena cozida e amassada
  • 1 colher (café) de sal
  • 1 ovo
  • 2 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo

Recheio

  • 300 g de mussarela ralada
  • 2 tomates sem pele e sem sementes picados
  • 1 colher (chá) de orégano
  • Sal a gosto

Dissolva o fermento com o açúcar e o leite morno. Acrescente o restante dos ingredientes e trabalhe a massa em superfície enfarinhada. Cubra e deixe descansar por 45mts.

Recheio – Misture todos ingrediente e reserve.

Abra a massa e corte-a em círculos de cerca de 10cm de diâmetro. Coloque uma porção de recheio sobre cada círculo e feche unindo bem as bordas, na forma de pastel. Aqueça o óleo e frete em fogo médio.

Fonte – Revista Receita Minuto.

Biscoito de polvilho frito

Image and video hosting by TinyPic

Na última temporada de férias aqui de casa fomos passar uns dias na Pousada do Rio Quente, eu amo aquele lugar já fico pertinho da minha casa (ops, casa do meu pai) e a comida já remete a minha infância as minhas raízes e tal e foi assim que em um dos cafés da manhã do hotel os meninos ficaram encantados com o tal biscoito de polvilho frito que eles serviram e eu passei minha infância inteira comendo isso e pra mim a pessoa que faz esse biscoito com maior maestria é a mãe da esposa do meu pai. Enfim depois de bastante tempo já em casa resolvi fazer pra eles o tal biscoito e pra quem não fazia essa quitanda a muito tempo foi realmente uma diversão misturada com uma certa nostalgia.

  • 500 g de polvilho azedo
  • 1 colher (sopa) de sal
  • 1 xícara (chá) de óleo
  • 1 xícara (chá) de leite
  • 2 ovos

Opcionais

  • Orégano
  • Pimenta-do-reino
  • Queijo meia-cura ralado

Em recipente coloque o polvilho e sal. Ferver o óleo e o leite e escaldar o polvilho, misture bem. Deixar esfriar e misturar os ovos até obter uma massa lisa. Faça rolinhos com a massa e frite em óleo frio (a temperatura do óleo é bastante importante pois se colocar em óleo quente ele pula e espirra bastante gordura, pode até te machucar) .

Pão de abobrinha com hortelã

Image and video hosting by TinyPic

Meu irmão mais novo é vegetariano, ele passou uns dias aqui em casa comigo e foi um aprendizado pra mim e para os meninos, foi uma diversão a presença do tio em casa. Eu andei comprando mais uns livrinhos (aí senhor jurei que não faria mais isso), mas enfim os livrinhos agora habitam minha cabeceira e eu utilizei essa receita para estrear o livro que por sinal é só de pães. A mistura abobrinha com hortelã não é novidade pra mim, e me foi apresentada pela minha amiga idolatrada salve, salve Valentina. Tudo que tenho a dizer é : abobrinha e hortelã é um casamento perfeito assim como romeu e julieta.

  • 400 g de farinha de trigo (se encontrar farinha especial para pães, seria melhor ainda)
  • 50 g de farinha de milho
  • 1 colher (chá) de sal
  • 1 colher (sopa) de açúcar
  • 2 colheres (chá) de fermento biológico instantâneo
  • 75 ml de azeite
  • 1/2 colher (chá) de pimenta-do-reino
  • raspas de 1 limão siciliano
  • 2 colheres (sopa) de hortelã fresca picada
  • 225 g de abobrinha
  • 175 ml de água

Rale a abobrinha em tiras, ponha em um escorredor e *misture 2 colheres (sopa) de sal. Deixe descansar por 30mts. Lave em água abundante e seque bem. Misture bem os quatro primeiros ingredientes. Adicione o fermento e misture. Faça um buraco no meio, adicione o azeite e amasse. Adicione a água aos poucos, misturando até obter uma massa macia e homogênea. Coloque a massa em uma superfície polvilhada com farinha e sove até ficar lisa e elástica. Misture a pimenta, as raspas de limão, a hortelã e a abobrinha então abra a massa e coloque essa mistura de temperos e abobrinha sobre ela e sove mais um pouco. Faça uma bola com a massa, coloque um superfície lisa e untada. Cubra com filme PVC e deixe crescer até quase dobrar de volume. Quando a massa estiver com quase o dobro de tamanho sove-a de novo. Divida-a em duas partes e enrole cada uma das partes dando uma forma alongada. Ajuste as massas em duas fôrmas de pão de 600g untadas. Cubra com filme PVC e deixe fermentar até dobrar o volume. Preaqueça o forno a 200 graus. Asse os pães por aproximadamente 30-35mts ou até que estejam crescidos, dourados e soem ocos quando bater embaixo deles. Desenforme o paõ e deixe esfriar.

Acompanhamento: molho de queijo com iogurte.
Bata 150 ml de iogurte natural e 150 ml de maionese. Junte 2 colheres (sopa) de cebolinha fatiada e 2 colheres (sopa) de salsinha picada. Adicione 100g de cottage e misture bem. Tempere com sal e pimenta-do-reino.

*Coloquei apenas uma colher de sopa de sal na abobrinha pois achei muito exagerado essa quantidade.

*Fonte – Livro 200 Receitas de Pães Tentadores.