Pão de queijo de frigideira ou apenas uma dica

frigideira

Gente o nome pão de queijo foi apenas uma doce referência e fiquem tranquilos que eu sei bem que pão de queijo mineiro está muito longe dessa receita – mas também quero defender que esse lanche para um momento emergência e fome total é uma ótima escolha. De preparo super rápido e podendo pirar o cabeção no quesito recheios você vai cair de amores por essa receita.

Na cestinha – 1 ovo, 1 clara, 2 colheres (sopa) de polvilho azedo, 1 colher (sopa) água, 1 colher (sopa) de iogurte natural, 1 pitada de sal, 3 fatias de queijo branco para o recheio.

Bata todos ingredientes no mixer ou liquidificador, com exceção do queijo fresco do recheio. Coloque 1/3 da massa na frigideira antiaderente pré-aquecida e cozinhe e fogo baixo. Quando soltar da panela, vire e deixe o outro lado dourar, coloque o queijo e faça um rolinho e deixe um pouquinho para o queijo derreter. Rende 3 porções.

Anúncios

Bagels e algumas considerações

balgel

Bagels são pães muito comum nos EUA, eu ouso dizer que são pra eles o nosso pãozinho francês, e são servidos diariamente no café da manhã com ovos e bacon – pode ser feito de farinha branca ou integral e também enriquecido com grãos e com muitas, muitas coberturas diferentes, que podem ser : sementes papoula, sal grosso, parmesão, gergelim, linhaça, erva-doce…. Mas acredito que todos tenha algo incomum que é sua textura “chewy” ou seja, “borrachenta”! E há uma técnica diferente no seu preparo que garante esta textura única: os pães são cozidos rapidamente em água fervente antes de serem assados! Aqui no Brasil, podem ser encontrados na rede Starbucks, servidos com potinhos de Cream Cheese – e também em algumas boas padocas, ou em supermercados como Sr. Marche e ou pão de açúcar.  Com esses pãezinhos você pode fazer a festa no quesito recheio, abusar das pastinhas, frios, carnes fatiadas finamente, salmão defumado, tender cortado em fatias bem fininhas e onde mais sua imaginação te levar. Nesses eu utilizei cream cheese, patê de tomate seco, salada de alface americana e tomate picadinhos e peito de frango defumado, delícia para acompanhar sua bela cerveja artesanal no final de um longo e difícil dia de trabalho.

 

  • 450 gr de farinha de trigo para pão (“forte”)
  • 08 gr de sal
  • 10 gr de mel
  • 7 gr de fermento seco
  • 200 ml de água morna
  • 5 gr de óleo
  • 2 ovos para a massa
  • 1 ovo para pincelar
  • coberturas diversas (sal grosso, gergelim, erva doce, parmesão ralado grosso, sementes de linhaça…)

Dissolva o fermento fresco na água morna com o mel. Deixe descansar por uns 5 minutos. Coloque a farinha e o sal em uma tigela grande. Junte o líquido do fermento, os 2 ovos batidos e o óleo. Misture até incorporar bem. Sove por 10 minutos, até a massa ficar homogênea. Unte a tigela com um pouco de óleo, coloque a massa, cubra com filme plástico e deixe descansar por 1 hora (ou até dobrar de volume). Amasse novamente a massa e divida em 10 partes (cerca de 80 gramas cada parte). Faça uma “minhoca” de 20 cm e enrole nos 3 dedos do meio da mão. Una as partes pressionando bem. Coloque os pães em uma forma grande, forrada com papel manteiga ou silpat. Deixe descansar por 20 minutos. Aqueça o forno a 180 graus. No fogão, coloque uma panela grande com água e deixe ferver. Com cuidado, mergulhe 2 a 3 bagels de cada vez e deixe cozinhar 1 minuto de cada lado. Retire e seque com papel toalha. Coloque os bagels novamente na forma, passe o ovo batido e salpique a cobertura de sua preferência. Leve para assar até os bagels ficarem crescidos e dourados. Retire do forno, coloque sobre uma grade para esfriar.
*obs – rende 10 unidades.

 

 

Esfiha – quentinha perfumando a casa não tem preço

arabe

Fazer pão com tempo frio é um grande desafio – meu truque é deixar o forno aquecendo, como minha cozinha é pequena ela fica quentinha e a massa cresce super bem – e depois já no forno ela perfuma todo o apartamento, já deixando todos morrendo de vontade de roubar uma ainda quente da assadeira. Essa é uma ótima receita e já te te falo que é melhor dobrar a receita para ter algumas para congelar pois depois de alguns dias vai te dar vontade de comer novamente isso sem falar que ter esses pequenos tesouro no seu freezer te salva com a visita inesperada ou aquele pequeno almoço, café da tarde ou até mesmo um lanche entre amigos.

Recheio:
½ kg de carne moída
2 tomates maduros, sem as sementes, picadinhos
½ cebola bem picadinha
½ xícara de salsa picada
2 colheres (chá) de sal
suco de 1 limão
pimenta do reino moída na hora – se quiser, use 1 colher (chá) de pimenta síria

Massa:
2 tabletes (30g) de fermento biológico fresco
500ml de leite morno – usei semidesnatado
3 colheres (sopa) de açúcar
1 ½ colheres (chá) de sal
2 colheres (sopa) de óleo
6 ½ xícaras (780g) de farinha de trigo – usei somente 730g

Comece preparando o recheio: misture em uma tigela a carne, os tomates, a cebola, a salsa, o sal, o suco de limão e a pimenta, até obter uma massa homogênea. Reserve.

Pré-aqueça o forno a 220ºC.

Agora, a massa: dilua bem o fermento no leite morno, misturando com um garfo. Junte o açúcar, o sal e o óleo. Coloque a farinha aos poucos e misture com uma colher de pau até obter uma massa homogênea. Cubra com um pano de prato e deixe descansar por cerca de 5 minutos. Depois, trabalhe a massa com as mãos por aproximadamente 5 minutos. Faça bolas de massa do tamanho de uma noz, cubra com um pano e deixe-as descansar por cerca de 5 minutos. Abra cada bola com os dedos, virando-as para formarem discos de espessura regular – use o rolo de massas, fica mais fácil. Em seguida, coloque no centro do disco ½ colher (sopa) de recheio*. Dobre a terça parte da beirada inferior até o centro e em seguida o terço esquerdo e o direito formando um triângulo, apertando ligeiramente as beiradas de uma contra a outra, para não abrirem. Coloque as esfihas em uma assadeira untada com óleo, deixando cerca de 2cm entre uma e outra. Leve ao forno por cerca de 30 minutos, ou até dourarem.

Dicas (não fiz nenhuma das duas):
Querendo pincele as esfihas com gema antes de assar
Após assadas, abafe-as colocando-as em uma panela com tampa. Fazendo isso, elas permanecerão mais macias.

*a carne entra crua no recheio e solta bastante sangue e água depois de misturada aos outros ingredientes – para evitar que o recheio ficasse aguado dentro das esfihas, coloquei a mistura do recheio numa peneira e apertei bem cada porção de carne antes de colocá-la na massa, escorrendo assim o excesso de líquido.

Rend.: 60 unidades

 

Prime RIB

carne de forno

Poderoso, saboroso e de maciez invejavel, esse corte vem ganhando cada vez mais espaço na mesa dos apreciadores de carne e restaurantes especializados. Se traduzirmos ao pé da letra , seria a Costela Primordial mas quem conhece e aprecia esse corte certamente pode inclui-lo como sinônimo de “Principal” ou “ Melhor” esse corte retirado da 5 costela bovina possui uma carne muito irrigada, macia e marmorizada. Sua proximidade com o osso da costela da um sabor inigualável e a marmorização conferem a esse corte com toda certeza uma das melhores garfadas de carne do boi.

 Essa eu apenas deixei minha chapa de pedra sabão ficar super, hiper quente dentro do forno – com a peça temperada apenas com sal e pimenta moídos na hora, repousei sobre a pedra e depois de 2 minutos eu virei a carne e deixei um pouco mais, retirei e deixei repousar um pouco sobre a tábua de corte, para não perder o suco da carne ao cortar. Depois fatie e servi com pãozinho francês.

Mozzarella in carrozza

Image and video hosting by TinyPic

Dentro dessa casca dourada um incrível mar de queijo bem quentinho e derretido – é ou não para enlouquecer? Depois que fiz pela primeira vez caí de amores por esse sanduiche (se é que posso chamá-lo de sanduiche), por isso vez ou outra ele aparece na minha cozinha. Não escolho a melhor mussarela não – muito pelo contrário muitas vezes faço com nossa tradicional mussarela e fica realmente tentador. Acho o processo relativamente simples, pois apesar de ter que empanar e fritar não vejo grandes problemas para executar a receita e sendo assim gosto de fazê-lo em um final de tarde de um domingo preguiçoso. A tenho que contar que essa receita não foi inventada para servir com um pão de fôrma comum mas eu a faço com pães de fôrma branco – comum mesmo e ainda assim fica perfeito.

  • 6 fatias de pão de fôrma sem casca
  • mussarela em fatias
  • 125 ml de leite integral
  • 3 colheres (sopa) bem cheias de farinha de trigo
  • 1 ovo
  • sal e pimenta-do-reino
  • óleo de oliva (não extravirgem) para fritar

Faça sanduíches com o pão e a mussarela, deixando um espaço próximo às bordas do pão sem queijo. Pressione as bordas do sanduíche com as pontas dos dedos, para fechar bem (uma das vantagens do pão de fôrma comum é que as fatias se juntam muito bem). Ponha o leite em um prato de sopa, a farinha em outro e bata os ovos com sal e a pimenta em um terceiro. Esquente o óleo de oliva em uma frigideira em fogo brando. Passe os sanduíches rapidamente no leite, um a um, depois na farinha de trigo e por último nos ovos batidos. Frite dos lados, até ficarem dourados e crocantes. Escorra sobre o papel toalha. Pode serví-lo com um delícioso e caseiro molho de tomates ou até mesmo com um catchup caseiro ou uma boa marca do mesmo.

*Não precisa muito óleo (não é pra fritar em imersão).

*Fonte – Nigella Bites