Carne, queijo, crisp de bacon e chutney de cebola

Cebola

Brisando na Cozinha do FeijaoNoPrato, e dois ou três dedos de prosa – Tive o prazer de mais uma vez esse ano tornar real uma amizade virtual e ainda participar das pequenas doses de trafico de alimentos e ingredientes que rola nos bastidores do Encontro Gourmet e não poderia jamais deixar de dividir com vocês essa delícia, o incrível chutney de cebolas dessa moça linda e encantadora e olha como sou boa gente vou contar como você pode encontrar essa *gostusura, correr lá no blog dela que vou deixar aqui e fazer sua encomenda que ela envia potes cheio de delicias e cercado de carinho.

Eu fiz um hambúrguer, com queijo cheddar e por cima coloquei uma boa porção desse chutney e para finalizar um crispe de bacon bem crocante.

Para o hambúrguer – 1q de fraldinha, 4colheres (sopa) de azeite e 3 colheres (sopa) de água gelada, amasse bem até que essa carne pegue uma liga, molde os hambúrgueres de 150g de leve na chapa quente, tempere com sal e pimenta moídos na hora, quando virar essa carne tempere novamente com sal e pimenta moídos na hora, coloque o queijo abafe e deixe derreter, coloque no pão, coloque uma porção da cebola e finalize com crisp de bacon.

Para o bacon basta levar as fatias ao micro-ondas e deixar que as mesmas fritem e fique crocantes, pode ser no forno no fogão também, depois basta quebrar com ajuda de uma faca em pedacinhos que ficam bem crocantes.

Bolinhas de Ricota no Azeite

bolinhas

Com a mesma ricota postada semana passada, eu fiz essa conserva que fica show para acompanhar sua torrada, fatia de pão ou até mesmo compor seu sanduíche – dica simples e encantadora e de quebra pode se encaixar na *catigoria economia doméstica porque se planejar é tudo minha gente.

Com a mesma massa da ricota já postada aqui – você tempera com sal e pimenta moídos na hora e amasse bem e forme as bolinhas, em um vidro esterilizado você coloque azeite extra virgem até o meio e coloque um dente alho cortado ao meio e se quiser umas ervinhas, no meu caso usei folhas de manjericão, coloque as bolinhas e se precisar termine de completar o vidro com azeite, guarde na geladeira e espere 3 dias para consumir assim o azeite e as bolinhas pegam os sabores tanto do alho quanto da erva utilizada.

vidro

Ricota Fresca

Ricota

Eu ando pensando e repensando minhas compras em super e hipermercados, sempre fiz muitas coisas em casa mas ando pensando que deveria fazer mais e seguindo essa proposta fiz minha ricota ontem a noite, para fazer o almoço de hoje (que foi uma simples deliciosa lasanha de espinafre com ricota), e hoje fiz outra ricota que vou mostrar amanhã o destino dessa outra ricotinha, sugiro que fiquem ligados. O fato é que ricota é algo tão simples de se fazer que não vejo nenhum motivo se quer para cair na tentação e comprar uma pronta e olha essa receita te renderá uma ricota macia, cremosinha, úmida e não seca como a grande maioria que encontramos no mercado.

A receita é de uma amiga que tenho muito, muito carinho um companheira de blog das antigas e vou deixar lá embaixo o endereço dela e sugiro que vão até lá e leiam com carinho o trabalho dela que eu adoro e super recomendo.

1 Litro de Leite de Saquinho com alto teor de gordura (eu faço com leite integral de caixinha e dá super certo)
3 colheres de sopa de vinagre branco ou de limão
6 colheres de sopa de creme de leite
sal a gosto

Ferva o leite, desligue o fogo e acrescente o vinagre ou o limão, misturando bem.

Feche a panela e aguarda dez minutos.

Pegue uma peneira fina, coloque um pano limpo dentro da peneira (pode ser pano de prato nunca usado ou uma fralda de criança – também nunca usada, né?), coloque em cima de uma vasilha para escorrer o soro.

Volte para a panela, você verá o soro separado da gordura do leite. Leve esse leite e coloque na peneira, deixe o soro escorrer para a vasilha, apertando o pano para tirar o liquido.

Deixe descansando durante meia hora, coloque a coalhada (gordura do leite) em uma vasilha para temperar.

O tempero é a gosto, mas terá que adicionar o sal e o creme de leite (quem quiser, pode colocar um pouco do soro no lugar do creme).

também poderá colocar salsinha, cebolinha, alho, pimenta do reino ou pimenta calabresa… enfim, a criação fica com você.

Mas se você quiser colocar apenas o sal e o creme de leite, já fica maravilhoso.

Outra coisa, se o leite coalhou ou azedou, não jogue fora, no lugar de levar ao fogo, você já pode colocar direto no pano e a peneira para tirar o soro e fazer a sua ricota.

O soro do leite, você pode guardar em uma garrafa pet para fazer pães ou tortas. Existem sucos que usam esse soro do leite e são bem caros por sinal.

Se você for fazer suco, use o leite que coalhou naturalmente, já que o soro que tem limão ou vinagre, tem o gosto mais ácido.

Outra coisa que eu descobri, é que o soro do leite também é o famoso e querido Whey Protein. O soro do leite é cheio de proteínas, vitaminas, minerais e enzimas.

Fonte – Blog Manga com Pimenta

Bolo de limão – sem batedeira

bolo de limão

Fui fazer um curso com a Paula no Espaço Chocolatria, foi um dia super agradável, daqueles que você nem sente que a tarde passou – enfim enquanto os biscoitos estavam no forno perfumando toda a cozinha ela muito fofa que é serviu o que chamou de “um bolinho de limão”, e ao provar eu já logo pensei, como assim?! Bolinho de limão?! Sim minha gente era um senhor bolo de limão, lindo, macio, fofo e com açúcar equilibrado, assim perfeito. Logo fui perguntar da receita que ela imediatamente respondeu que já estava no blog e desde então ele virou um hit por aqui. A massa fica linda se assada em uma forma de bolo inglês, mas hoje eu queria um bolo que me remetesse a um bolo de vovó e por isso escolhi a assadeira de anel mesmo – embora ele tenha esse glacê por cima, pode acreditar que o açúcar é super equilibrado.

  • 1 e 1/2 xícara  (195g) de farinha de trigo
  • 2 colheres de chá de fermento químico
  • pitada de sal
  • 1 xícara (200g) de açúcar
  • raspas da casca de 1 limão (pode ser tahiti ou siciliano)
  • 1pote de iogurte natural – 170g (com o desnatado o bolo fica mais molhadinho)
  • 3 ovos grandes
  • 1/2 xícara de óleo de canola ou girassol, ou pode medir também no potinho do iogurte, um pote não muito cheio.

Para a calda

  • 1  xícara de açúcar de confeiteiro
  • 2 colheres de sopa de suco de limão

Preaqueça o forno a 180 graus. Unte uma forma de bolo inglês (20 X 10cm).

Peneire a farinha, o fermento e o sal numa vasilha menor e reserve.

Numa vasilha média, coloque o açúcar e raspe o limão sobre ele. Com as pontas dos dedos, esfregue as raspas no açúcar até ficar úmido, meio esverdeado e perfumado.

Junte o iogurte e os ovos inteiros  e misture bem até  ficar bem uniforme. Junte a mistura de farinha e mexa, sem bater, até estar misturado. Mas não mexa demais, senão o bolo fica duro (não tem problema se ficarem umas pelotinhas na massa). Junte então o óleo e incorpore delicadamente com uma espátula grante. Coloque a massa na forma preparada, alise e asse por 50 minutos aproximadamente. Quando pronto, o bolo fica dourado e um palito deve sair seco quando espetado no centro da massa. Deixe esfriar sobre uma grade até amornar e desenforme.

Para a calda de limão:

Misture o açúcar de confeiteiro com o suco de limão até ficar um mingauzinho. Aplique no bolo, deixando escorrer um pouco pelas laterais. A calda seca em uns 15 minutos e forma uma casquinha de açúcar.

Fonte – The Cookie Shop

 

Pão de queijo de frigideira ou apenas uma dica

frigideira

Gente o nome pão de queijo foi apenas uma doce referência e fiquem tranquilos que eu sei bem que pão de queijo mineiro está muito longe dessa receita – mas também quero defender que esse lanche para um momento emergência e fome total é uma ótima escolha. De preparo super rápido e podendo pirar o cabeção no quesito recheios você vai cair de amores por essa receita.

Na cestinha – 1 ovo, 1 clara, 2 colheres (sopa) de polvilho azedo, 1 colher (sopa) água, 1 colher (sopa) de iogurte natural, 1 pitada de sal, 3 fatias de queijo branco para o recheio.

Bata todos ingredientes no mixer ou liquidificador, com exceção do queijo fresco do recheio. Coloque 1/3 da massa na frigideira antiaderente pré-aquecida e cozinhe e fogo baixo. Quando soltar da panela, vire e deixe o outro lado dourar, coloque o queijo e faça um rolinho e deixe um pouquinho para o queijo derreter. Rende 3 porções.

Pão de Queijo Pá Puw ou…..

queijo

poderia ser chamado de pão de queijo certeiro e sem mistérios e olha antes que minha caixa de email´s bombe com uma grande chuva de criticas falando a respeito do assassinato a receita do tradicional pãozinho mineiro eu vou logo dizendo que aqui nesta mesma cozinha tem a receita do tradicional pãozinho mineiro, feito com queijo meia cura, com o polvilho levemente umedecido e escaldado mas esta mesma cozinha também fala para pessoas que tem uma vida corrida que procura cozinhar mas faz isso utilizando receita práticas e sem *rescolero e essa é perfeita para esse publico. Esse pãozinho fica com uma casquinha crocantinha e por dentro puxa puxa – muito saboroso e diria até necessário para acompanhar seu cafézinho da tarde ou manhã. A receita é da cozinha da vizinha e você pode ir até lá que não vai se arrepender da leitura e receitas que vai encontrar por lá, o link abaixo da receita.

Ingredientes:

200gr de creme de leite UHT (1 caixinha)

100gr de queijo meia cura ralado fininho (ou 1 xícara bem prensado)

140gr de polvilho azedo (1 xícara)

1/4 de colher de cha de sal (eu usei um pouquinho menos porque meu queijo já era salgadinho)

Modo de Preparo:

Aqueça o forno a 200gr.

Em uma tigela misture todos os ingredientes até obter uma massa lisa e homogênea. Eu iniciei misturando com uma espátula e quando já estavam incorporados usei as mãos.

Faça bolinhas e coloque em uma assadeira anti aderente ou forrada com papel manteiga ou silpat.

Asse por 15 minutos ou até ficarem bem inflados e douradinhos! É importante que o forno esteja bem quente senão virarão cookies de polvilho!!

Fonte – Delicioso blog Gastronomia &+

Bagels e algumas considerações

balgel

Bagels são pães muito comum nos EUA, eu ouso dizer que são pra eles o nosso pãozinho francês, e são servidos diariamente no café da manhã com ovos e bacon – pode ser feito de farinha branca ou integral e também enriquecido com grãos e com muitas, muitas coberturas diferentes, que podem ser : sementes papoula, sal grosso, parmesão, gergelim, linhaça, erva-doce…. Mas acredito que todos tenha algo incomum que é sua textura “chewy” ou seja, “borrachenta”! E há uma técnica diferente no seu preparo que garante esta textura única: os pães são cozidos rapidamente em água fervente antes de serem assados! Aqui no Brasil, podem ser encontrados na rede Starbucks, servidos com potinhos de Cream Cheese – e também em algumas boas padocas, ou em supermercados como Sr. Marche e ou pão de açúcar.  Com esses pãezinhos você pode fazer a festa no quesito recheio, abusar das pastinhas, frios, carnes fatiadas finamente, salmão defumado, tender cortado em fatias bem fininhas e onde mais sua imaginação te levar. Nesses eu utilizei cream cheese, patê de tomate seco, salada de alface americana e tomate picadinhos e peito de frango defumado, delícia para acompanhar sua bela cerveja artesanal no final de um longo e difícil dia de trabalho.

 

  • 450 gr de farinha de trigo para pão (“forte”)
  • 08 gr de sal
  • 10 gr de mel
  • 7 gr de fermento seco
  • 200 ml de água morna
  • 5 gr de óleo
  • 2 ovos para a massa
  • 1 ovo para pincelar
  • coberturas diversas (sal grosso, gergelim, erva doce, parmesão ralado grosso, sementes de linhaça…)

Dissolva o fermento fresco na água morna com o mel. Deixe descansar por uns 5 minutos. Coloque a farinha e o sal em uma tigela grande. Junte o líquido do fermento, os 2 ovos batidos e o óleo. Misture até incorporar bem. Sove por 10 minutos, até a massa ficar homogênea. Unte a tigela com um pouco de óleo, coloque a massa, cubra com filme plástico e deixe descansar por 1 hora (ou até dobrar de volume). Amasse novamente a massa e divida em 10 partes (cerca de 80 gramas cada parte). Faça uma “minhoca” de 20 cm e enrole nos 3 dedos do meio da mão. Una as partes pressionando bem. Coloque os pães em uma forma grande, forrada com papel manteiga ou silpat. Deixe descansar por 20 minutos. Aqueça o forno a 180 graus. No fogão, coloque uma panela grande com água e deixe ferver. Com cuidado, mergulhe 2 a 3 bagels de cada vez e deixe cozinhar 1 minuto de cada lado. Retire e seque com papel toalha. Coloque os bagels novamente na forma, passe o ovo batido e salpique a cobertura de sua preferência. Leve para assar até os bagels ficarem crescidos e dourados. Retire do forno, coloque sobre uma grade para esfriar.
*obs – rende 10 unidades.

 

 

Kebab ou nem tanto assim

kebab

 

Bom quando falamos em kebab já imaginamos um belo sanduíche e bem ao contrário do que se pensa, o kebab não é sinônimo de sanduíche e sim na verdade, seu recheio –  pode vir dentro do pão, sobre o pão, sozinho, com legumes, couscous, arroz com aletria, pastas… “O kebab se popularizou na Europa, onde ficou conhecido como sanduíche. Foi levado para a Alemanha pelos imigrantes turcos depois da Segunda Guerra”, diz Rodrigo Libbos, chef do Kebab Salonu, de São Paulo. Ele explica que os brasileiros normalmente visitam a Europa, e não o Oriente Médio. Por isso cometem o mesmo erro dos europeus ao nomear o prato. “A diferença da Europa para a Turquia é que lá pegou o kebab enrolado, que é o sanduíche. No Oriente Médio, monta-se a carne em cima do pão, ou no prato, com outros acompanhamentos”. A minha versão nem é a do tal churrasco cortado em tiras fininhas e sim com Kafta o que eu acho uma delícia, coloco sobre o pão folha uma bela camada de homus tahine a salada que no meu caso foi de alface em tiras e tomates em cubos, dou uma leve temperada com azeite honesto e limão, coloco a kafta no centro e enrolo formando um sanduíche, na mesa deixo a disposição um molho de tahine que fica perfeito para acompanhar. A receita da kafta e do homus você encontra aqui no blog, basta colocar na busca ao lado e vai encontrar. Para manter o sanduíche fechadinho eu enrolo com papel alumínio.

 

Obs – Pessoal se querem saber um pouco mais do meu dia a dia, e ver um pouco das minhas viagens, passeios e eventos que frequento, basta me seguir no instagram – espero vocês por lá e se gostam do conteúdo do Feijão no Prato, compartilhe e curtam para manter a pagina no ar, muito obrigada.

Desgourmetiza – sim, temos ovos fritos

torrada

Se você como eu não aguenta mais comidinhas *estrambólicas tá na hora de voltar a pensar na comida cheia de carinho que saia direto das cozinhas de vovós e mamães de antigamente, e deixar essa bobeira pra lá e ao sentar a sua mesa dividir uma comida cheia de amor, carinho, sabor, histórias e sem frescuras. Essa dica veio da minha musa Rita Lobo e achei tão fantástica que resolvi postar aqui só pra dizer que carinho e honestos ingredientes são tudo e você não precisa comprar o sal do além nem o azeite vindo sei lá de onde, basta procurar a vendinha honesta e ser feliz.

Usei metades de pão ciabatta que torrei em uma frigideira de fundo pesado e fogo baixo, ao retirar do fogo eu esfreguei um dente de alho e reservei. Com o maço de espinafre limpo e seco eu aqueci uma frigideira e dourei alho e cebola picadinha em um fio de azeite honesto e somei o espinafre e reservei. Fritei um ovo deixando a gema molinha e fui montar. Fatia de pão, espinafre e por cima um lindo ovo frito – esse foi o jantar que fez bonito na minha mesa.

Fonte – Cozinha Prática

Esfiha – quentinha perfumando a casa não tem preço

arabe

Fazer pão com tempo frio é um grande desafio – meu truque é deixar o forno aquecendo, como minha cozinha é pequena ela fica quentinha e a massa cresce super bem – e depois já no forno ela perfuma todo o apartamento, já deixando todos morrendo de vontade de roubar uma ainda quente da assadeira. Essa é uma ótima receita e já te te falo que é melhor dobrar a receita para ter algumas para congelar pois depois de alguns dias vai te dar vontade de comer novamente isso sem falar que ter esses pequenos tesouro no seu freezer te salva com a visita inesperada ou aquele pequeno almoço, café da tarde ou até mesmo um lanche entre amigos.

Recheio:
½ kg de carne moída
2 tomates maduros, sem as sementes, picadinhos
½ cebola bem picadinha
½ xícara de salsa picada
2 colheres (chá) de sal
suco de 1 limão
pimenta do reino moída na hora – se quiser, use 1 colher (chá) de pimenta síria

Massa:
2 tabletes (30g) de fermento biológico fresco
500ml de leite morno – usei semidesnatado
3 colheres (sopa) de açúcar
1 ½ colheres (chá) de sal
2 colheres (sopa) de óleo
6 ½ xícaras (780g) de farinha de trigo – usei somente 730g

Comece preparando o recheio: misture em uma tigela a carne, os tomates, a cebola, a salsa, o sal, o suco de limão e a pimenta, até obter uma massa homogênea. Reserve.

Pré-aqueça o forno a 220ºC.

Agora, a massa: dilua bem o fermento no leite morno, misturando com um garfo. Junte o açúcar, o sal e o óleo. Coloque a farinha aos poucos e misture com uma colher de pau até obter uma massa homogênea. Cubra com um pano de prato e deixe descansar por cerca de 5 minutos. Depois, trabalhe a massa com as mãos por aproximadamente 5 minutos. Faça bolas de massa do tamanho de uma noz, cubra com um pano e deixe-as descansar por cerca de 5 minutos. Abra cada bola com os dedos, virando-as para formarem discos de espessura regular – use o rolo de massas, fica mais fácil. Em seguida, coloque no centro do disco ½ colher (sopa) de recheio*. Dobre a terça parte da beirada inferior até o centro e em seguida o terço esquerdo e o direito formando um triângulo, apertando ligeiramente as beiradas de uma contra a outra, para não abrirem. Coloque as esfihas em uma assadeira untada com óleo, deixando cerca de 2cm entre uma e outra. Leve ao forno por cerca de 30 minutos, ou até dourarem.

Dicas (não fiz nenhuma das duas):
Querendo pincele as esfihas com gema antes de assar
Após assadas, abafe-as colocando-as em uma panela com tampa. Fazendo isso, elas permanecerão mais macias.

*a carne entra crua no recheio e solta bastante sangue e água depois de misturada aos outros ingredientes – para evitar que o recheio ficasse aguado dentro das esfihas, coloquei a mistura do recheio numa peneira e apertei bem cada porção de carne antes de colocá-la na massa, escorrendo assim o excesso de líquido.

Rend.: 60 unidades