Caracóis de ricota com espinafre

Fiz um canelone para almoçar e o recheio do mesmo deu cria (nota- eu odeio quando isso acontece) mas por vezes erro no cálculo e o recheio sobra bastante, enfim fiquei com recheio no pote e depois de algumas horas a pensar veio o caracol de ricota na minha cabeça pois se faço forrobodó que é doce pensei o mesmo processo feito só que para um pão salgado daria certo e não é que deu mesmo. Ficou macio com sua camadas de massa se soltando com recheio marcante pelo sabor intenso do azeite honesto que utilizei e a cremosidade da mistura de ricota com creme de leite.

300g de farinha de trigo para pão
6g de fermento seco para pão
20g de açúcar
5g de sal
1 ovo mais leite morno até completar 210 a 220 ml (desta vez fiz com 215 ml)
30g de manteiga sem sal em temperatura ambiente

Misture metade da farinha com o fermento. Junte o açúcar e o sal. Despeje o ovo misturado com o leite, misture bem e rapidamente até ficar uma massa elástica e que levante bolhas. Junte o restante da farinha e a manteiga e misture com colher de pau com cuidado. Quando a farinha for toda absorvida, jogue a massa na mesa e comece a sovar até ficar macia e homogênea (10 a 15 minutos). Deixe descansar em lugar abafado até dobrar de volume.
Tire o filme, dê alguns soquinhos de leve na superfície e tire a massa do recipiente e coloque na bancada enfarinhada – abra a mesma em um retângulo e aplique o recheio que nesse caso foi: ricota amassada – espinafre (que foi previamente refogado com os temperinhos de sua preferência e devidamente escorrido e picadinho) –  creme de leite (para 300g de ricota eu utilizei 140g de creme de leite) – pimenta moída na hora – sal e azeite honesto – coloquei um pouquinho de azeitonas picadinhas. Espalhe esse recheio por toda a massa e enrole como se fosse um rocambole e nesse momento corte os caracóis em uma largura de +/- 2 dedos – coloque em assadeira enfarinhada e pincele com egg wash (mistura de ovo e água) polvilhe parmesão ralado e leve ao forno moderado até que esteja devidamente assado e douradinho.

 

Tênder com relish de abacaxi e hortelã

Depois das festas você consegue comprar presuntos defumados a preços bem convidativos e esse é o momento de testar novas receitas e preparar o cardápio para as próximas festas. E aproveito para deixar uma dica legal aqui – quando comprar seu presunto a preços mas honestos aproveite e leve um a padaria e peça com aquele jeitinho pra que eles fatiem bem fininho pra ti. Essas fatias fininhas vão te render bons lanches e até tortas e quiches e porque não uma salada mas completa.

  • 1 tênder bolinha
  • 1 litro de suco de abacaxi
  • 1 abacaxi maduro
  • 5 cebolinhas finamente fatiadas
  • Suco de 1 limão
  • 6 colheres (sopa) hortelã fresca picada
  • Piment-do-reino moída na hora e sal

Coloque o tênder em uma panela e junte o suco de abacaxi e água até que fique totalmente coberto. Leve para cozinhar em fogo moderado por 2 horas , depois desse tempo retire a peça do fogo e fatie já colocando na travessa que vai servir e reserve.

Para fazer o relish : descasque e corte o abacaxi em cubos – em um bowl esprema as cascas do abacaxi para soltar o suco. Misture as cebolinhas, suco de limão, hortelã e a pimenta. Tempere com sal e prove, lembrando-se de que o tênder já é levemente salgado. Sirva por cima do tênder ou em uma molheira a parte.

*Fonte – Livro Receber com Charme

Hamburguer de Berinjela

Eu acredito que minha paixão pelas berinjelas fazem com que sempre chego a receitas diferentes com esse ingrediente, talvez seja pelo fato de gostar tanto e isso me fazer ficar sempre de atenas ligadinhas e não perder um flash com a danada. E foi bem assim que descobri mais essa e foi amor a primeira vista e vai por mim esse mini-hamburguinho faz bonito numa festinha informal – em um encontro com amigos e com uma cerva vestida de noiva – ui com esse calor de meu-deus só com comidinhas leves mesmo (quem vê pensa) me convida pra uma feijuca que estarei lá no local e hora marcado – suando igual tampa de chaleira mas me acabando na feijuca. rs

Pra fazer o hamburguer você vai precisar :

2 berinjelas cortadas no sentido do comprimento e em fatias não muito finas, com o auxilio de cortador corte as rodelas como se fossem hamburgueres, tempere com sal e pimenta moídos na hora e empane aí vão os três passos de empanar : 1- passe na farinha de trigo/ 2- passe no leite / 3 – passe na farinha de rosca ou panco e frite em óleo quente, reserve. Faça um molhinho de tomate pedaçudo e reserve. Coloque em uma assadeira os discos de berinjelas fritos, coloque uma colherada de molho de tomate e cubra com queijo muçarela e leve ao forno apenas para derreter o queijo retire e coloque no meio de pãozinhos de mini hamburgueres e sirva em seguida.

*A receita original se encontra logo abaixo -não deixem de visitar o blog que é super legal.

*Fonte – Blog Doces Abobrinhas

Homus da preguiça

Tenho mil e uma desculpa para não cozinhar grão de bico mais em casa então vamos a algumas: o calor avassalador, dois filhos indo para escola em horário alternados, um monte de roupa para lavar, uma correria intensa, 40 minutos aguardando na fila do posto de combustível para abastecer e garantir que não vou ficar sem a danada da gasolina e por fim a praticidade de encontrar o grão de bico cozido e lindamente embaladinho e com preços bem legais e tudo isso somado me fez desistir de cozinhá-lo em casa mas não de comer o tão amado grão de bico. Gente eu ando ficando moderinha (rs) e vamos que vamos dando um ar de praticidade a essa cozinha.

Então aí vai a receita do homus da preguiça mas não menos delícioso que o outro.

  • 300 g de grão de bico cozido e escorrido (reserve um pouco do liquido)
  • 1 dente de alho grande
  • 1 colher (sobremesa) de tahine
  • 2 colheres (sopa) de suco de limão
  • 3 colheres (sopa) de azeite honesto
  • Sal e pimenta moídos na hora
  • Um toquinho de pimenta síria
  • 1/2 xícara (chá) de água que reservou

Coloque primeiro no copo do liquidificador a água do grão de bico o azeite – suco de limão e depois some todos os demais ingredientes e deixe processar – se a massa tiver pesada some um pouco mais de líquido reservado. Depois de bem batido e já com a massa bem fininha – retire do liquidificador e prove o tempero dê mais uma regada com azeite e sirva com um pãozinho sírio.

Medalhinhas de carne moída empanadas

 

Para um almoço rápido eu sempre tenho um saquinho de medalhinhas de carne moída de boi ou frango no freezer e você pode fazer bifinhos simples, você pode assá-los por cima de uma cama de batatas ou então você pode empanar , fritar e cobrir com molhinho de tomate caprichado e um queijo derretendo – fica tipo vestido para festa e se tiver  criançada em casa , abaixe a guarda e sirva batatas fritas (porque de vez em quando pode amiga) rs.

Para fazer as medalhinhas eu utilizo : 500 g de carne moída – 2 colheres (sopa) de aveia em flocos finos – 1 pouquinho de manteiga sem sal – cheiro verde picadinho – sal e pimenta moídos na hora. Mexo bem para homogenizar e moldo as medalhinhas como se fosse hamburguinhos mas menores e um pouquinho mais gordinhos. Se quiser empanar faça assim: passa primeiro na farinha de trigo, depois no leite e por último na farinha de rosca ou panco. Coloque um pouco de óleo na frigideira deixe aquecer e frite as medalhinhas – depois faça aquele seu molho de tomate esperto ou pode ser aquele molho pronto que você curte, coloque por cima e cubra com queijo muçarela e leve ao forno apenas para derreter o queijo. Sirva com arroz branco ou salada e batatas fritas.

Bolo Prestígio

Essa semana que passou foi aniversário do “maridex”  e a mim e aos meninos só restou correr pra cozinha e bater um bolinho para comemorar – mas bolo pra ele tem que ser molhadinho, do tipo bem úmido mesmo e com recheio cremoso no melhor estilo “pecaminoso” – e foi bem assim que esse bolinho ficou. Bolo de prestígio é algo que me lembra minha adolencência pois sempre faziamos em casa – Tia Ilda era campeã em executar a receita desse bolo e ficava uma camada bem grossa de creme de coco e um bolo fofinho e molhadinho e que de tão bom, nunca saiu das minhas lembranças. E esse ano para comemorar o niver de uma pessoa que é tão importante pra mim resolvi resgatar a receita e fazer algo que me carinhou tanto nunca época da minha vida o famoso bolo prestígio da tia Ilda com meus pitacos.

  • 3 ovos
  • 1/2 xícara (chá) de açúcar
  • 100 g de manteiga
  • 4 colheres (sopa) de rum
  • 1/2 xícara (chá) de leite
  • 1 xícara (chá) de farinha de trigo
  • 3 colheres (sopa) de chocolate em pó
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó

Bata na batedeira a manteiga, açúcar e gemas. Até ficar uma mistura fofa e clara. Acrescente sem bater a farinha e o chocolate em pó alternando com o leite e o rum. Misture delicadamente o fermento em pó e depois as claras em neve. Coloque em uma assadeira untada e enfarinhada e leve para assar em forno médio. Faça o teste do palito.

Para o recheio – eu coloquei numa panela larga de fundo pesado : 1 lata de leite condensado – 300 g de coco em flocos – 1 colher (sobremesa) de manteiga sem sal – 1 colher (sobremesa) rasa de farinha de trigo e 3 gemas peneiradas. Levei ao fogo e cozinhei mexendo sempre em fogo brando até soltar do fundo da panela (ponto de brigadeiro de coco) nesse momento eu retirei do fogo e juntei 150 g de creme de leite de caixinha e mexa para que tudo se agregue e reserve.

Faça uma calda com 300 ml de água, 1/2 xícara de açúcar – leve ao fogo e deixe ferver até que o açúcar tenha se dissolvido e esteja bem homogêneo. Essa calda não engrossa fica bem ralinha então depois do açúcar dissolvido já pode retirar do fogo e somar uma colher de sopa de rum.

Montagem – Divida o bolo em três partes, coloque dentro do aro de bolo a primeira parte, molhe com a calda e coloque um pouco do recheio e repita o processo fechando com a última camada do bolo – leve para gelar por pelo menos 6 horas. Retire da geladeira vire o bolo no prato que vai servir e cubra com um ganache de chocolate que nada mais é do que : 200g de chocolate meio-amargo – 1 caixinha de creme de leite – 1 colher (sopa) de rum. Derreta o chocolate no microondas ou em banho-maria e junte o creme de leite (que deve estar aquecido também) misture bem até ficar brilhante e some então o rum. Aplique no bolo e para decorar eu grudei nas laterais biscoitos e por cima cobri coco em flocos – dei um laço de fita e estava pronto.

Minha avó era chique e….

não sabia (rs). Uma técnica que existe a mais de 2 mil anos e que perdeu forças quando as casas foram invadidas por refrigeradores elétricos (é cumadi a tal da modernidade) – mas agora ela, a tão esquecida carne de lata recebeu um nome para seu preparo e ficou chique de doer amiguinha e a técnica tem nome de “confit” só que com a modernidade batendo na porta a técnica perdeu o caráter funcional e de necessidade e virou iguaria. É servida em alguns restaurantes badalados e com preçinhos salgados viu?! Na roça a carne de lata era feita tradicionalmente com carne de porco e linguiça – mas hoje já se usa a técnica para confitar tomates, alho , bacalhau e muito mais. Com minha ida a casa do meu pai voltei com uma latinha de carne de porco feita na chácara mesmo com um porco caipira e o sabor é de doer mulherada é bom demais. Eu chamaria de caixinha de jóia.

  • 1 q de costelinha de porco
  • 1 q de banha de porco
  • 4 gomos de linguiça fresca de pernil
  • 50 g de alho
  • Sal e pimenta do reino a gosto
  • 120 ml de água ou vinho branco

Separe as costelinhas em peças de um ou dois ossinhos e temperar com sal, pimenta e vinho (se for utilizar – agora se for usar água coloque um pouquinho de vinagre ou limão na carne) e deixe marinar por 24h. Adicionar a costelinha e linguiça na banha derretida e cozinhar em fogo bem baixinho por 4 a 5 horas – vai mexendo uma vez ou outra e você também pode fazer esse processo no forno aquecido a 80graus e vai demorar 5 a 6 horas. Depois de fria guarde a carne em lata e é preciso que fica completamente dentro da banha e dura 6 meses assim. Para servir aqueça os pedaços com um pouco da própria banha, some uns dentes de alho e sirva acompanhado de arroz branco, salada, farofa e feijão.

*Para confitar tomate, alho e por aí vai – a banha não serve viu meninas – mas fiquem ligadinhas que logo vem o confit desses itens.

 

 

 

 

Torta de arroz com berinjela ou arroz de forno metido

É assim cumadi, o arroz é seu e você batiza como tiver vontade o que não pode é deixar de fazer que esse é dos bons (rs).

Me conta uma coisinha tem arroz de ontem aí na sua geladeira? Então não perca a chance de fazer essa receita – pensa num arroz bem macio, molhadinho de azeite e ainda com uma cenoura doce e crocante no meio? Pensa que acabou?! Se enganou – pois a cobertura é o véu da noiva que faltava e fica mesmo perfeito.

Para fazer : aqueça uma frigideira grande de fundo pesado e regue com azeite, junte alho e cebola e deixa a mesma ficar transparente, nesse momento junte uma cenoura grande (que foi previamente cortada em juliene e depois em cubinhos pequenininhos) e vai refogando com o cuidado não deixar ficar macia demais (o crocante é importante nesse prato) então junte um tomate sem sementes cortado em cubos – refogue até começar a formar um molhinho – some o arroz e deixe aquecer bem – some um pouco de cebolinha verde – regue com mais um pouco de azeite e deite o mesmo em uma travessa que possa ir ao forno e reserve.

Para a cobertura, corte uma berinjela grande em rodelas finas e tempere com sal e pimenta – aqueça uma chapa e grelhe as fatias.  Corte um tomate grande em rodelas – pegue a travessa de arroz e cubra com fatias de muçarela, rodelas de berinjelas grelhadas e rodelas de tomates. Dê uma última regada com azeite honesto e leve ao forno para o queijo derreter e o tomate aquecer. Sirva em seguida.