Catchup Caseiro

cachup

É sempre melhor comer sem culpa ou sem preocupação do tipo, isso tem muito conservante ou corantes e tals, né não?! Principalmente quando temos que alimentar e formar bons hábitos em crianças, então minha dica é : faça esse delicioso, simples e fácil catchup caseiro e nunca mais vai querer comprar um catchup no supermercado eu garanto (rs).

Ingredientes:
1 kg de tomate débora
2 latas de tomate pelado em cubos (com o líquido)
1 talo de salsão
1 cebola
3 dentes de alho
2 colheres (sopa) de azeite
1 colher (chá) de coentro em pó
1 colher (chá) de semente de erva-doce
1 colher (chá) de gengibre em pó
1 pitada de cravo-da-índia em pó
3 colheres (chá) de sal
Pimenta-do-reino moída na hora (a gosto)
½ xícara (chá) de água
½ xícara (chá) de vinagre de vinho branco
½ xícara (chá) de açúcar mascavo

Modo de preparo:
Leve uma panela cheia de água (cerca de metade do volume) ao fogo alto. Enquanto isso, lave os tomates. Com uma faca, corte um ‘x’ na base de cada tomate. Prepare uma tigela com água e gelo. Quando a água na panela começar a ferver, coloque os tomates e deixe cozinhar até que a pele comece a se soltar. Com uma escumadeira, retire e transfira os tomates para a tigela com gelo – o choque térmico faz com que a pele se desprenda mais facilmente. A partir do corte em ‘x’, puxe a pele e descarte. Repita com todos os tomates.

Em uma tábua, divida os tomates ao meio, descarte as sementes e corte em cubinhos. Descasque e pique finamente a cebola e o alho. Lave e fatie o talo do salsão e descarte as folhas.

Leve a panela ao fogo médio. Quando aquecer, regue com o azeite e refogue a cebola por cerca de 3 minutos, até dourar. Junte o alho e o salsão e refogue por mais 1 minuto. Misture o coentro em pó, as sementes de erva-doce, o gengibre em pó, o cravo-da-índia em pó, o sal e a pimenta-do-reino.

Adicione os tomates picados e o enlatado com o líquido. Regue com a água e misture. Quando ferver, deixe cozinhar por cerca de 20 minutos, até reduzir à metade.

Desligue o fogo e transfira o molho para o liquidificador. Bata até ficar liso, pressionando bem a tampa com um pano de prato – isso evita que o vapor empurre e abra a tampa.

Volte o molho para a panela, junte o açúcar e o vinagre e leve ao fogo médio. Quando ferver, abaixe o fogo e deixe cozinhar por cerca de 10 minutos, mexendo de vez em quando, até engrossar – lembre que, quando esfriar, o molho vai engrossar mais.

Transfira para vidros esterilizados com fechamento hermético e deixe esfriar em temperatura ambiente. Quando estiver frio, tampe e mantenha na geladeira por até 3 semanas.

caseiro

*Fonte – Receita da Rita Lobo.

Musse de chocolate da Diva do Chocolate pra chamar de seu

chocolate

Como avisa a Diva do Chocolate minha querida amiga Simone, é sempre bom ter uma receita certeira de mousse de chocolate e essa é o bicho, pode confiar. Vem do livro Loucuras do Chocolate que tenho como meta fazer todas as receitas do mesmo esse ano, estou na quinta receita e todas com resultados perfeitos como tudo que a Simone faz.

Vamos a cestinha – 270 g de chocolate amargo ou meio amargo, 120g de manteiga, 75g de gemas peneiradas (gemas de 5 ovos médios), 195g de claras em neve (clara de cinco ovos médios), 90g de açúcar, cacau em pó para polvilhar.

Derreta o chocolate meio amargo e a manteiga no banho-maria ou na potência média do micro-ondas por cerca de 2min30s ou até que esteja completamente derretido. Adicione as gemas peneiradas e bata bem com um fouet, até que a mistura fique homogênea. Bata as claras em ponto de neve. Sem parar de bater, adicione aos poucos o açúcar. Com isso pronto, adicione cerca de 1/3 desse merengue na mistura de chocolate e gema. Misture até incorporar bem, só então adicione o restante do merengue. Quando a mistura estiver homogênea, despeje em um refratário e leve para gelar por cerca de 2 horas. Polvilhe cacau em pó antes de servir.

Rende 6 porções.

*Fonte – Livro Loucuras do Chocolate da Diva Simone.

Se virando nos 30 ou seria nos 25?!?!

frango

Dia desses eu estava só em casa, e minha trupe toda não comeria por aqui – o fogão permaneceu fechado até o último minuto do segundo tempo, quando derrepente todos resolveram que voltariam para almoçar – como assim??? Cara pálida vocês ficaram doidos??? Não tem comida (rs), depois do susto dessa afirmação a cozinheira resolveu dar uma bandeirada branca e tirar o clima de caos da casa e dizer que poderiam retornar que teria comida fresquinha na mesa, e assim nasceu o frango do se vira nos 30. Já coloquei o arroz na panelinha, peguei as folhas para uma bela salada e reservei. Numa frigideira larga de fundo pesado eu aqueci um fio de óleo de cozinha e dourei meus cubinhos de frango (que foram previamente temperados com alho, sal e pimenta sofridos no pilão), depois de dourados, coloquei um pouco de ervilhas congeladas e somei meia lata de tomates pelados em cubos, chequei o tempero e somei um copo de requeijão cremoso, na hora de servir acompanhei com batata palha.

Dalva e Dito e Eu…

sanduiche

Um belo dia eu resolvo comer um sanduba sem pretensão de nada, lá no Dalva e Dito do querido Alex Atala – e sai completamente apaixonada e pra mim estava eleito ali o melhor sanduba de pernil de Sampa. Mas a história não poderia parar por ai, fiquei matutando na minha cabeça durante toda a minha viagem de férias como poderia ter sido feito aquele lanche tão rico em sabor e a textura da carne incrível e daí resolvi fazer minha versão, versão essa que me encheu de alegria – pois ficou sensacional.

Então vamos já pra cozinha fazer o tal sanduba – Um pedaço de pernil, faça furos na peça de carne e tempere com sal, pimenta em grãos e alho sofridos no pilão, cubra com vinho e deixe marinar por 2horas – após esse tempo, pegue a peça de carne transfira para uma assadeira besunte um toquinho de azeite na mesma e cubra com o vinho que a marinou, tampe com papel alumínio e leve ao forno baixo – isso vai levar algumas boas horas lá no forno bem baixinho, quando aquele vinho secar a carne já deve estar desmanchando, então retire da assadeira e faça um fundo com cebolas em rodelas, tomates em cubos grandes, pimentão em rodelas e coloque a carne que você deve terminar de desfazer com o garfo, tampe novamente com papel alumínio e leve ao forno e deixe que esses ingredientes cozinhem e forme um molhinho grossinho e pegue o sabor da carne, então retire do forno e monte seu lanche com o pãozinho escolhido e um toquinho de uma boa mostarda.

Como antigamente

café

Sei que hoje os tempos são outros e existem mil máquinas de café expresso, com cápsulas ou que são capazes de moer o grão na hora e tals (eu mesma tenho uma máquina de expresso que utiliza cápsulas), mas ainda gosto muito do cafézinho passado na hora pelo coador de pano e nesse caso pode ser no menor para uma pessoa apenas ou no maior para mas amigos que gostem de dividir esse momento. Um abre aspas para a caneca vermelha que foi do meu pai, e por muitos anos vi meu pai fazer esse ritual do café todas as manhãs para acompanhar sua leitura diária do jornal impresso – tenho um carinho enorme por ela.

* Esse coador e suporte para uma única dose eu encontrei na minha ida a Tiradentes (MG).

Mamãe tem *lolo (bolo)?!?!?!

bolo

Meu caçulinha Bento adora bolo o qual no seu dialeto próprio se chama *lolo – só tem um problema os bolos do Bento tem algumas restrições visto que ele não pode lactose, então vivo modificando e adaptando as receitas para que meu querubim possa sempre se deliciar com uma bela fatia de *lolo no café da tarde ou da manhã. Essa receita você encontra aqui – a mudança foi apenas a troca do leite por leite de coco.  E bonitas (os) podem acreditar esse bolo é o bicho.