O calor e o jantar

sanduiche com salsa

Depois de um dia cheio, e graças a Deus com a novela da nova escola do meu filhote recheio da bolacha resolvido eu só queria um bom banho e me esticar sofá e esquecer que o mundo existe, calma esse pensamento durou pouco – Eu sei que tenho filhos e um lar para tocar e depois do banho abri a geladeira e pronto, e em segundos no melhor estilo *Mac Gyver saiu o jantar fresco e delicioso.

Preparo – Tinha deixado pronto uns bifes de panela, e com eles eu apenas peguei duas fatias de pão de forma e em uma delas forrei com uma fatia de queijo muçarela, cobri com um bom bifinho, fatias de tomate, uma salsa de abacate com cebola, coentro, suco de limão, sal e pimenta moídos na hora e uma boa regada de azeite, para finalizar folhinhas de mini agrião.

 

Torta de Liquidificador nada mais do que mais do mesmo, só que não

bolo salgado

Torta de liquidificador já é um clássico nas cozinhas brasileiras, mas sempre feitas em tabuleiros – mas devo dizer que achei um charme essa feita na forma de mini bolo de anel, e fica tão simpática para ir a mesa. Os recheios podem variar e muito – no melhor estilo, aquilo que sua imaginação alcançar e claro tendo a parcimônia de combinar os sabores (as de legumes moram no meu coração).

Massa:
3 ovos
1 xícara de óleo (menos um dedo)
2 xícaras de leite
1 xícara de queijo ralado
2 xícaras de farinha de trigo
1 pitada (reforçada) de sal
1 colher de sopa de fermento em pó

Bata todos os ingredientes da massa no liquidificador (com exceção do fermento, que deve ser adicionado depois). Coloque metade da massa em uma assadeira de anel (untada e enfarinhada) coloque o recheio de sua preferência e cubra com o restante da massa.

*Fiz uma com recheio de frango e catupiry e outra com refogadinho de carne moída com ervilhas frescas e pedacinhos de queijo do reino.

*Visite essas outras idéias de recheio para tortas de liquidificador. Aqui ou aqui ou aqui

Coletivo gastronômico – Sopa Creme de Legumes e Nata

Sopa Creme de Legumes com Nata

Gente se liga nessa história que vou contar aqui pra vocês ; Nasce hoje um projeto muito, muito legal na verdade o projeto nasceu do encontro de alguns blogueiros e nascimento de uma amizade, de muita conversa, de encontros e feijoada, papo de mamães, papo de comidinhas gostosas, técnicas e muito mais – e foi assim que nasceu o tema do mês para coroar o nosso inverno, que venham as sopas e se ligue em todos os links que vou deixar aqui pra vocês, visitem e conheçam, sigam pois só gente phina nesse lindo projeto.

Para minha sopa segui a linha do blog, comida sem mistérios e ao alcance de todos – então utilizei 300 g de batata inglesa, 300g de mandioquinha, 1 abobrinha média, 3 cenouras, couve flor – em uma panela eu refoguei uma cebola picadinha no azeite e dois dentes de alho, juntei os legumes picados grosseiramente e somei um água fervente até cobrir o legumes temperei com sal e pimenta moídos na hora, e com a panela semi tampada deixei que esse legumes ficassem cozidos e bem macios. Retirei os legumes da panela sem o caldo e processei com auxilio do mix, colocando o caldo quente aos poucos para que ficasse na consistência de um creme. Servi na tigelinha de sopa e somei uma boa colherada de nata batida levemente com fouet e salsinha picadinha (poderia ser também queijo cremoso, creme de ricota).

A Casa Encantada

My Flavors

Ana Cláudia na Cozinha

Cozinha da Gertrudes

Se Eu Fiz Vc Faz

O que temos hoje Elisa?

Burburinho na Cozinha

Delicious by Mari

Artes da Mel

Gastronomia &+

Minha Marmita Tem

Better Call San

Gordices

Gastronomia &+

Panela e Paixão

Pão de queijo de frigideira ou apenas uma dica

frigideira

Gente o nome pão de queijo foi apenas uma doce referência e fiquem tranquilos que eu sei bem que pão de queijo mineiro está muito longe dessa receita – mas também quero defender que esse lanche para um momento emergência e fome total é uma ótima escolha. De preparo super rápido e podendo pirar o cabeção no quesito recheios você vai cair de amores por essa receita.

Na cestinha – 1 ovo, 1 clara, 2 colheres (sopa) de polvilho azedo, 1 colher (sopa) água, 1 colher (sopa) de iogurte natural, 1 pitada de sal, 3 fatias de queijo branco para o recheio.

Bata todos ingredientes no mixer ou liquidificador, com exceção do queijo fresco do recheio. Coloque 1/3 da massa na frigideira antiaderente pré-aquecida e cozinhe e fogo baixo. Quando soltar da panela, vire e deixe o outro lado dourar, coloque o queijo e faça um rolinho e deixe um pouquinho para o queijo derreter. Rende 3 porções.

Iscas de peixe com maionese temperada

peixe

Essa receita saiu aqui na minha cozinha para participar dos 15 anos do Panelinha – Nem preciso dizer que *adorrrrô a Rita né?! E sendo assim o Feijão não poderia ficar de fora dessa linda festa, ainda falta duas receitas que posto no decorrer dos dias – minhas considerações sobre o peixe da diva; feito no forno já é o céu e com sabor incrível não carece muito esforço para eleger a receita como queridinha – fica sequinho e muito, muito saboroso, acompanha super bem a caipirinha ou cerva gelada do final de semana – e se quiser comer de maneira mais saudável também é uma ótima pedida para acompanhar o uma massa que ao sair quente da panela só necessita um pouco de manteiga e um tantinho de parmesão e nesse caso você elimina a maionese e pronto o almoço já pode ir pra mesa.

Para as iscas

Ingredientes

600 g de peixe branco (como congrio)
caldo de 1 limão cravo
2 ovos
1 xícara (chá) de farinha de trigo
2 xícaras (chá) de farinha de mandioca flocada, tipo biju
4 colheres (sopa) de azeite
sal e pimenta-do-reino moída na hora

Modo de Preparo

1. Preaqueça o forno a 200 ºC (temperatura média). Forre duas assadeiras retangulares com papel-alumínio e, com um pincel, unte cada uma delas com 2 colheres (sopa) de azeite. Reserve.

2. Corte os filés em tiras de 2 x 8 cm e transfira para um recipiente. Tempere com o caldo de limão, sal e pimenta-do-reino moída na hora.

3. Coloque os ovos em uma tigela, tempere com uma pitada de sal e misture bem com um garfo.

4. Coloque a farinha de trigo e a farinha de mandioca, respectivamente, em pratos fundos e tempere com sal. Se os flocos de farinha de mandioca estiverem muito grandes pressione com as costas de uma colher para quebrar.

5. Para empanar, passe a isca farinha de trigo, de todos os lados, mergulhe nos ovos e, por último, pressione na farinha de mandioca. Transfira para uma das assadeiras e repita com todas as iscas.

6. Arrume as iscas deixando que haja espaço entre elas. Esse é o segredo para que fiquem bem crocantes.

7. Leve ao forno preaquecido para assar por 20 minutos. Na metade do tempo, retire as assadeiras do forno, vire as iscas com uma espátula e volte para o forno.

8. Quando estiverem douradas, retire do forno e sirva com os molhos de maionese.

Para a maionese temperada

Ingredientes

2 gemas de ovo
1 colher (sopa) de vinagre ou caldo de limão
1 colher (sopa) de mostarda de Dijon
200 ml de óleo

Modo de Preparo

No copo do mixer junte as gemas, a mostarda, o vinagre e o óleo. Pressione o mixer contra o fundo do copo e bata por 10 segundos, sem mexer. Quando a maionese começar a se formar, levante o mixer para uma das laterais, sem parar de bater, e repita para o outro lado. Em 15 segundos, a maionese fica pronta!

Ingredientes

 Para o Molho Tártaro

1 colher (sopa) de pepino em conserva picado fino
1 colher (sopa) de alcaparras
1/2 talo de cebolinha

Modo de Preparo

Em água corrente, lave as alcaparras e o pepino para tirar o excesso de sal. Pique fino todos os ingredientes e junte à maionese preparada. Se preferir, bata no mixer.

Fonte – Site Panelinha

Um trucão para seu molho de tomate do dia a dia

massa

Penso que dicas para o mudar e dar uma cara nova, uma graça na sua comida do dia a dia é legal, né não?! Bom sendo assim venho contar pra vocês uma maneira simples de dar uma levantada no seu molhinho de tomates, você pode começar seu molho do zero com tomates frescos e se precisar de uma receita é só colocar na busca aqui do blog ou então pode utilizar latas de tomates pelados que vai te render um molho incrível e pra começar, aqueça uma frigideira grande de fundo pesado e enquanto a mesma aquece coloque um pouquinho de erva doce na tábua de corte e de uma leve amassada na mesma para que ela solte melhor seu perfume e sabor e para dar uma leve defumada leve ela a essa frigideira quente e deixe torrar levemente, some azeite e uma cebola bem picadinha com dente de alho e deixe sofrer na frigideira até a cebola ficar transparente, some os tomates pelados, tempere com sal e pimenta moídos na hora e coloque um toquinho de leite para quebrar o ácido, deixe apurar e sirva com sua massa cozida al dente.

Obs – esse molho super combina se for feito com fatias finas de linguiça calabresa defumada.

Fonte – Meu esposo, que também comanda as panelas por aqui vez em sempre.

O que tem na geladeira e só

sanduiche

Quando se tem quase um time de futebol em casa a cozinha trabalha o tempo todo e a todo vapor – mas o fato é que final de mês rola uns *soborôdeontê ou um limpa na geladeira e foi exatamente num momento desse que rolou o cachorro quente de assadeira ou poderia ser o sanduba família ou você pode usar o mesmo conceito e fazer as porções individuais em pequenos potinhos. A forma de fazer não tem segredo, pegue restinhos de frios, sobra de frango desfiado ou salsichas que sobraram e faça um molho com tomates, cebola e alho sofrido no azeite, some todas essas sobrar e se tiver milho verde, azeitonas, ervilhas também pode somar a esse molhinho – pegue pão de forma e tire a casca e unte com manteiga a travessa, forre com uma camada de pão, molho, mussarela e cobre com outra camada de pão e mais molho e queijo e leve ao forno, até que esteja quentinho, retire do forno e coloque batata palha e sirva acompanhado de bom suco e uma salada.

Feijão verde simples assim

feijão

Um barraquinha vendendo feijão verde fresquinho, e estava assim tão lindo que não resiste em comprar umas boas bacias aqui pra casa – já teve risoto de feijão verde um assunto para outro post, e teve feijão de tudo que é jeito, amo, amo e amo. Mas feijão verde pode ser feito assim : cozinha na panela normal pois ele bem macio, descarta toda a água e deixe uma frigideira grande de fundo pesado aquecer bem, some uma boa colherada de sopa de manteiga de garrafa, alho, cebola tudo bem picadinho e deixe sofrer um pouco na manteiga, some o feijão escorrido, sal e pimenta moídos na hora e muito coentro. Sirva com purê de batatas rústico e cubos de pernil de porco cozidos lentamente na panela de ferro.

Bagels e algumas considerações

balgel

Bagels são pães muito comum nos EUA, eu ouso dizer que são pra eles o nosso pãozinho francês, e são servidos diariamente no café da manhã com ovos e bacon – pode ser feito de farinha branca ou integral e também enriquecido com grãos e com muitas, muitas coberturas diferentes, que podem ser : sementes papoula, sal grosso, parmesão, gergelim, linhaça, erva-doce…. Mas acredito que todos tenha algo incomum que é sua textura “chewy” ou seja, “borrachenta”! E há uma técnica diferente no seu preparo que garante esta textura única: os pães são cozidos rapidamente em água fervente antes de serem assados! Aqui no Brasil, podem ser encontrados na rede Starbucks, servidos com potinhos de Cream Cheese – e também em algumas boas padocas, ou em supermercados como Sr. Marche e ou pão de açúcar.  Com esses pãezinhos você pode fazer a festa no quesito recheio, abusar das pastinhas, frios, carnes fatiadas finamente, salmão defumado, tender cortado em fatias bem fininhas e onde mais sua imaginação te levar. Nesses eu utilizei cream cheese, patê de tomate seco, salada de alface americana e tomate picadinhos e peito de frango defumado, delícia para acompanhar sua bela cerveja artesanal no final de um longo e difícil dia de trabalho.

 

  • 450 gr de farinha de trigo para pão (“forte”)
  • 08 gr de sal
  • 10 gr de mel
  • 7 gr de fermento seco
  • 200 ml de água morna
  • 5 gr de óleo
  • 2 ovos para a massa
  • 1 ovo para pincelar
  • coberturas diversas (sal grosso, gergelim, erva doce, parmesão ralado grosso, sementes de linhaça…)

Dissolva o fermento fresco na água morna com o mel. Deixe descansar por uns 5 minutos. Coloque a farinha e o sal em uma tigela grande. Junte o líquido do fermento, os 2 ovos batidos e o óleo. Misture até incorporar bem. Sove por 10 minutos, até a massa ficar homogênea. Unte a tigela com um pouco de óleo, coloque a massa, cubra com filme plástico e deixe descansar por 1 hora (ou até dobrar de volume). Amasse novamente a massa e divida em 10 partes (cerca de 80 gramas cada parte). Faça uma “minhoca” de 20 cm e enrole nos 3 dedos do meio da mão. Una as partes pressionando bem. Coloque os pães em uma forma grande, forrada com papel manteiga ou silpat. Deixe descansar por 20 minutos. Aqueça o forno a 180 graus. No fogão, coloque uma panela grande com água e deixe ferver. Com cuidado, mergulhe 2 a 3 bagels de cada vez e deixe cozinhar 1 minuto de cada lado. Retire e seque com papel toalha. Coloque os bagels novamente na forma, passe o ovo batido e salpique a cobertura de sua preferência. Leve para assar até os bagels ficarem crescidos e dourados. Retire do forno, coloque sobre uma grade para esfriar.
*obs – rende 10 unidades.

 

 

Kebab ou nem tanto assim

kebab

 

Bom quando falamos em kebab já imaginamos um belo sanduíche e bem ao contrário do que se pensa, o kebab não é sinônimo de sanduíche e sim na verdade, seu recheio –  pode vir dentro do pão, sobre o pão, sozinho, com legumes, couscous, arroz com aletria, pastas… “O kebab se popularizou na Europa, onde ficou conhecido como sanduíche. Foi levado para a Alemanha pelos imigrantes turcos depois da Segunda Guerra”, diz Rodrigo Libbos, chef do Kebab Salonu, de São Paulo. Ele explica que os brasileiros normalmente visitam a Europa, e não o Oriente Médio. Por isso cometem o mesmo erro dos europeus ao nomear o prato. “A diferença da Europa para a Turquia é que lá pegou o kebab enrolado, que é o sanduíche. No Oriente Médio, monta-se a carne em cima do pão, ou no prato, com outros acompanhamentos”. A minha versão nem é a do tal churrasco cortado em tiras fininhas e sim com Kafta o que eu acho uma delícia, coloco sobre o pão folha uma bela camada de homus tahine a salada que no meu caso foi de alface em tiras e tomates em cubos, dou uma leve temperada com azeite honesto e limão, coloco a kafta no centro e enrolo formando um sanduíche, na mesa deixo a disposição um molho de tahine que fica perfeito para acompanhar. A receita da kafta e do homus você encontra aqui no blog, basta colocar na busca ao lado e vai encontrar. Para manter o sanduíche fechadinho eu enrolo com papel alumínio.

 

Obs – Pessoal se querem saber um pouco mais do meu dia a dia, e ver um pouco das minhas viagens, passeios e eventos que frequento, basta me seguir no instagram – espero vocês por lá e se gostam do conteúdo do Feijão no Prato, compartilhe e curtam para manter a pagina no ar, muito obrigada.